Programa Arte Brasil - Tudo em Artesanato
Busque o passo a passo ou vídeo:  
Assista as Aulas
  O Programa
  Passo a Passo
  Sintonize o Canal
  Concursos
  Matérias
  Agenda
  Minha História
  Hist. do Artesanato
  Enquete
  Parceiros
  Fale Conosco
  Kits e DVDs
blank
blank
Orkut

Participe do nosso Orkut!
Twitter

Participe do nosso Twitter!

Facebook

Participe do nosso Facebook!

blank
Blog
Blog do Rogério Chiaravalli
blank
Compartilhe! Compartilhe!
blank
Cadastre seu e-mail conosco!
Minha História

 
Confira a História de vida de Silvana Greice
Desde criança, sempre fiz alguma coisa de artesanato. Comecei aos sete anos quando fui para um colégio interno e aprendi a bordar. A partir daí não parei mais. Sempre pedia a minha mãe para eu fazer cursos e ela me colocava em vários diferentes, para eu aprender algo novo.

Em 1997, quando mudei de casa, nossa residência entrou em reformas e como sou alérgica a pó, aproveitava para ir passear e fazer alguns cursos na Rua 25 de março. Até que me encontrei no macramé, bordado e trançado com fitas. Aos poucos, fui me aprimorando e me dedicando ao macramé e agora ao patchwork.

Nesse mesmo ano, uma amiga perdeu um filho e entrou em depressão. Na época, eu estava fazendo macramé e bordado com fitas. Comecei a ensiná-la a fazer o trançado com fitas nas toalhas e ela parecia uma máquina. Sempre queria confeccionar mais e mais para se distrair.

Um dia, ela viu no jornal que iria acontecer uma feira tradicional no bairro do Brooklin, a "Nicolaus Fest". Surgiu a idéia de participármos desta feira, mas não tínhamos o dinheiro suficiente para a compra dos materiais e para fazer a inscrição. Meu marido deu total apoio para nós. Fomos comprar materiais, fizemos à inscrição e em menos de 15 dias tínhamos oitenta peças prontinhas para vender. Trabalhamos feito loucas. Foi nessa feira que tive meu primeiro retorno financeiro com a venda de produtos artesanais. Sempre vendi meus trabalhos, mas era uma peça ou outra, porém, foi a partir daí que começou o meu trabalho como artesã profissional.

A partir daí não parei mais. Fui convidada para fazer algumas revistas, fiz alguns programas de TV, e com a ajuda do meu marido montei um ateliêr e comecei a dar aulas. Já são 10 anos que trabalho com artesanato, vendendo minhas peças e dando aulas. Ministro cursos de patchwork, macramé e tear de pregos, e eu adoro dar aulas. Minha formação é pedagogia, fiz magistério e depois pedagogia, então dar aulas está no sangue. Tenho um carinho especial pelos meus alunos. As pessoas procuram bastante pelos cursos, tanto de patchwork como de macramé.

Infelizmente minha mãe já faleceu, mas de certa forma, foi ela que me incentivou no mundo do artesanato, pois enquanto eu era criança e adolescente ela me proporcionou cursos e mais cursos. Graças a minha mãe que aprendi a fazer e entrei para o mundo do artesanato.

Hoje, tenho o total apoio de minha família, meu marido e meus filhos. Se não fosse pelo maridão, não teria montado meu atelier e não estaria a onde estou hoje.

Quando me perguntam se o artesanato é a minha única fonte de renda, sempre respondo sim e não. Sim, porque é do artesanato que sai o dinheiro para a compra dos materiais necessários, e através do dinheiro que eu ganho com as vendas das minhas peças, que consegui comprar minha máquina de costura, a minha máquina fotográfica e mais algumas coisas. Quando digo não, é porque não dependo dele pra sobreviver, nem pagar as contas de casa. Mas, é do artesanato que sai o sustento para as compras de supérfulos, mas fundamentais para uma mulher, como sapatos, roupas, celular e essas coisas que não vivemos sem.

Acredito que dá pra viver somente do artesanato, apesar de eu não viver só dele, mas sei que se me empenhasse mais, poderia ter uma clientela maior e vender mais peças do que vendo hoje.

Hoje o artesanato é muito valorizado, principalmente fora do Brasil. Quando eu expunha no Shopping Eldorado numa feira de artesanato, sempre havia pessoas de outros países que compravam meus trabalhos. Tenho trabalhos em todos os Continentes. Os brasileiros, como têm a facilidade de fazer e se dedicar ao artesanato é que acabam não se valorizando. Mas, o artesanato quando é feito com capricho, quando é bem acabado é muito bem valorizado.

Fica difícil dizer quais foram as novidades no artesanato que aconteceram este ano, pois novidades sempre temos. Este ano, aconteceu a primeira Feira de patchwork realizada no Colégio São Luís aqui em São Paulo. Essa feira superou as expectativas dos profissionais, todos adoraram. Os programas de tv também deram o que falar, o Arte Brasil foi um deles. Ele é 1000. Dá a oportunidade aos artesãos de divulgarem seus trabalhos e a incentivar as pessoas a praticarem o artesanato e isso é muito importante tanto para os artesãos como para as pessoas que assistem ao programa.

Posso dizer que o artesanato é amor, é vida, é distração, é companhia, é terapia. Todos deveriam se dedicar a algum tipo de artesanato. As escolas deveriam ter no seu currículo aulas de artesanato, com certeza não haveria tantos problemas.

Para finalizar, tenho várias dicas para quem está começando agora. Dê sempre um passo de cada vez, mesmo com as dificuldades, não desista. Tudo o que fizer, faça com muito capricho, procure fazer o acabamento sempre perfeito, faça com amor e carinho cada peça, use materiais de boa qualidade e use a criatividade.

Fale com nossa Artesã(o)
(11) 3068-0528
Blog / Site: www.amigasnopatch.multiply.com
 
 


Programa Arte Brasil - Tudo em artesanato!